Tags

, , , ,

Todo ano passa, todo ano se esvai, aquele momento que estamos vivendo se torna uma ilusão frente ao passado e ao futuro. Esperanças são construídas, sustentadas, tudo numa tentativa de possuir algum sentido no qual dentro das bagunças que vivemos talvez tenha um segundo de alegria e satisfação por estarmos vivendo. Com isso, o homem cria inúmeros rituais, que no fim de um ano inventado pelo ocidente os maiores rituais se situam tão próximos que vivemos na expectativa de vivê-los como fossem pontos diferentes, onde poderemos passar de um ao outro como se nossas vidas dependessem desta articulação não racional entre os dois eventos: Natal e Ano Novo. Engraçado, por ambos remeterem ao nascer e surgir de novos paradigmas, ficamos imaginando que necessariamente algo deve aparecer porque passamos por tais rituais…

Com isso, olhamos para tudo que passou no ano, aquilo que ouvimos, sentimos, presenciamos. Nós deixamos tudo isso na memória na tentativa de marcar o que aconteceu em 2011. Não que os acontecimentos sejam diferentes dos demais anos e ficamos mais emocionados, pois a emoção é a mesma às notícias que ouvimos, a empatia surge para um número ínfimo de eventos, já que a maior preocupação é justamente nós mesmos. As notícias alheias nos incomodam, porém o mais importante é como nos sentimos perante tal fato. E tal sentimento nesses últimos dias, nós colocamos guardados para os últimos dez segundos, onde esperamos gritar com toda a força o novo ano que se apresenta na nossa vida. Será que é o último? Ao menos, tiraria do humano todas essa vã expectativa de que algo virá que o afastará da situação degradante pela qual ele se encontra. Não… ainda resta muitos anos para o homem desaparecer da terra, ainda terá de rogar muitas pragas aos outros para poder ter um momento de riso. Riso, movimento labial que se tornou supérfluo, já que ele foi recheado de piadas sem sentido, sem emoção, apenas movidas na pura repetição televisiva. Bom, quatro dias para 2012 e agora todos se ajeitam para virada, naquele ritual que só valerá a pena se após a celebração acabarmos acordando ao lado de alguém após uma noite de sexo enlouquecido, caso contrário, é tudo em vão…

imagens tiradas do Cinismo Ilustrado.