Minha questão metafísica não concerne a existência ou inexistência de uma entidade extramundana que venha interferir nas nossas decisões e com um julgamento final sobre os nossos feitos. Isso pra mim é o menos importante, como também, cada vez mais torna-se mais explícita a ausência de tal entidade. O problema é saber se os eventos no mundo ocorrem de maneira aleatória ou segui alguma ordenação, ou seja, é acaso ou determinado? Minha posição mais atual condiz a que a ordenação acontece num certo período do tempo, contudo devido as forças que atuam nas coisas essa ordenação se rompe e desse modo fica indeterminado o que virá ocorrer ou o ocorrido tenha uma ligação com outros ou uma origem. Complicado. Bom, é dentro desse problema metafísico que o novo seriado Touch se baseia para atrair atração do público. Estrelada por Kiefer Sutherland o seu piloto trouxe-me boas sensações.

O começo do piloto é a narração de uma criança de 11 anos contando exatamente que o universo se compoe através de uma linha invisível em que une as pessoas de primeiro momento sem qualquer ligação. E esta criança consegue “ver” essas linhas a partir dos números. A criança é o filho de Kiefer, Jake, que é altista e nunca mencionou qualquer palavra, chegando ao exagero de raramente haver tocado o pai, pois não gosta de contato físico. Assim, nesse piloto se concetrou mais em explicar como acontece as coisas e o que será encaminhado daqui pra frente no seriado,  vimos que o número 318 aparece em todos os lugares, tanto que a criança regulou o despertador de casa pra tocar no horário 3:18. Junto a isso, acompanhamos diferentes pessoas cada uma com suas aflições, dificuldades, desejos, etc. Até chegar o momento em que todos serão reunidos num mesmo fim. Dessa parte gostei bastante, por mais piegas possa aparentar ou clichê por pensarmos em vários filmes que trabalham no mesmo tema, apesar disso, podemos ver um cuidado de mostrar a profundidade que os detalhes nos apresentam e tanto mais porque é um ato involuntário que fazemos hoje, sem dar qualquer importância ocorre algo grande mais a frente e o melhor, podemos encontrar pessoas importantes na nossa vida sem ao menos imaginar que encontraríamos ali naquela situação. Assim, a parte em que o pai que liga pro celular perdido, pedindo que o mande pois está a foto da filha e andando em Bancok vê no telão as fotos… emocionei bastante.

Nesse caminho, o seriado Touch chamou minha atençao e vou assistir a mais alguns episódios pra ver se fico até o final dessa temporada ou viro um seguidor. O criador é Tim Kring, o mesmo de Heroes, o que me fez presenciar nuns foruns da net um comentário engraçado: o importante de Touch não é a primeira temporada, mas a segunda. Pois, ele mostrou que não sabe fazer essa passagem como já vimos em Heroes. De qualquer maneira nos resta esperar pra soltar uma opinião definitiva. E você acha que tudo acontece por uma razão ou é aleatório?