Na terra surge um homem triste, tão triste que carrega suas lembranças numa caixa pequena. Sem esperanças começa a cansar, o cansaço o libera de todas as verdades e semelhanças que o menino denunciou que tinha roubado. O roubo não fora o seu maior pecado, e sim a perseverança de que alguma coisa pudesse mudar, mas não, o homem derramando lágrimas no rosto é uma figura singular em que o universal desaparece para que possa resplandecer sem aquele brilho progressista de que o novo nunca vêm e somente o antiquado é contínuo na nossa maneira de agira e falar. Fala desaparecida que destaca o autor silencioso e simples perseguidor de uma nova aurora mesmo que seja rápida e sem atrativo para as massas!

Isso foi escrito num momento rápido, onde as palavras surgiam na minha cabeça. Sem qualquer filtro fui concatenando até surgir algo que não sei bem o que poderia significar.